terça-feira, 16 de maio de 2017

O ManUau do Novo Varejista

Resultado de imagem para manual do novo varejista
ManUau do Novo Varejista: o livro capaz de modificar a postura do mercado nacional de varejo

Dia 02 de maio fui surpreendido por uma transmissão ao vivo pelo Facebook de um amigo que não o via a mais de 25 anos. Esse vídeo chamava os internautas à comparecerem ao lançamento do livro chamado "ManUau do Novo Varejista", escrito por Fred Rocha, no Mercado Central de Belo Horizonte.

Corri para o Mercado, passando diretamente pelo estacionamento, pois a entrada principal já se encontrava fechada. Lá, dei um forte abraço em Fred Rocha. Foi um momento especial pois fiquei muito feliz em tê-lo reencontrado. Ainda "de brinde" comprei um livro com direito a autógrafo! Leitor fanático que sou, prometi ao Fred que iria ler o seu livro a finco e com o critério que ele realmente merece. E assim fiz. Li o livro em 14 dias.

O ManUau do Novo Varejista é um compêndio de dicas e macetes para lá de bem bolados. É um curso de MBA de marketing executivo e vendas no varejo para aqueles que não tem tempo de frequentar uma sala de aula. A escrita é simples, fácil de entender e muito prazerosa de acompanhar. É como se o Fred Rocha estivesse tomando um chope contigo e passando o que ele aprendeu e ensinou ao longo dos mais de 20 anos de profissão no mercado de varejo. Se você é um daqueles rabugentos do comércio que se julga "fera para caramba no que faz", está na hora de ler o que o Fred tem para passar nesse ManUau. Muitos irão dizer em alguns momentos "- há isso eu já sabia"! Entretanto, há muitas outras coisinhas sutis entre as 360 páginas ao longo dos 26 capítulos, que fará você pensar e dizer mentalmente: "-é... de fato, isso eu não tinha pensado antes e, pelo contexto, faz todo o sentido". O conteúdo da obra é acima de tudo, bem fundamentado pelas pesquisas, entrevistas e análises e palestras que Fred efetuou pelos quatro cantos do Brasil. O livro está profissional.

Ademais, o material está bem diagramado, com figuras e fotos criativas que dão um ar alegre ao papel, tornando a leitura e a compreensão de texto, divertidas e associáveis aos tempos modernos.

É um livro extremamente atual. Recomendo de carteirinha para empresários do setor, aos futuros empreendedores que desejam entrar no ramo do varejo, para quem busca uma franquia como fonte de renda, aos  estagiários de vendas, vendedores e seus gerentes. Recomendo ainda para os industriais que buscam capilarizar os seus canais de vendas, tendo como objetivo compreender, de forma sensível, o perfil e as demandas de um cliente, que está cada vez mais raro e exigente. É agregação de valor, pois como Fred mesmo diz: "-Não dá mais para brincar de vendinha" e que "dinheiro é consequência".

ManUau do Novo Varejista - à venda pelo site do Fred Rocha. 
Entregas para todo o Brasil.



segunda-feira, 15 de maio de 2017

Cervejaria Campo Grande

Cervejaria Campo Grande vai produzir 10 milhões de latas da cerveja Bamboa
O Grupo RFK, investidora do empreendimento, tem como meta gerar 250 empregos diretos e 10 mil indiretos
Da redação do Jornal "A Crítica"
Durante a inauguração da Cervejaria Campo Grande, na noite dessa quinta-feira (11), no Polo Empresarial Oeste, o presidente da Fiems, Sérgio Longen, destacou a importância dos incentivos fiscais para a atração de novos empreendimentos a Mato Grosso do Sul e os resultados positivos que a indústria tem proporcionado ao Estado, com a geração de emprego e renda para a população.
“Nosso setor tem registrado números positivos conforme os números divulgados recentemente, foram 2,5 mil empregos a mais neste primeiro trimestre do ano em relação ao mesmo período do ano passado. É um grande orgulho ver a indústria como pilar desse desenvolvimento do nosso Estado”, discursou Sérgio Longen durante a cerimônia de inauguração da cervejaria, a primeira a produzir cerveja em escala industrial em Mato Grosso do Sul.
O presidente da Fiems usou o exemplo da Cervejaria Campo Grande para reforçar o papel dos incentivos fiscais na competitividade das indústrias sul-mato-grossenses. “Esse projeto estava praticamente alinhado para ser construído em outro lugar e, com apoio do Governo do Estado e do secretário estadual Jaime Verruck, conseguimos trazê-lo para a nossa Capital. A industrialização veio para ficar e, por isso, temos trabalhado e cobrado muito do governador Reinaldo Azambuja para que sejam mantidos os contratos de incentivos, dando mais competitividade às indústrias”, emendou.
O Grupo RFK, investidora do empreendimento, tem como meta gerar 250 empregos diretos e 10 mil indiretos, se considerada toda a cadeia produtiva envolvida no projeto, como construção civil, transporte, distribuição, entre outros, além de produzir 10 milhões de latas da cerveja “Bamboa” por mês. O governador Reinaldo Azambuja comemorou o fato de a cervejaria ser a primeira a produzir cerveja em escala industrial no Estado e a escolha da Capital para instalação da fábrica.
“Foi devido à muito diálogo e aos incentivos, cuja concessão muitas vezes é criticada por aqueles que não compreendem a lógica da troca de impostos por empregos, e o resultado é compartilhado por todos, que contam com mais empregos, mais gente consumindo no comércio”, analisou o governador sobre a concessão de incentivos fiscais por parte do Governo do Estado, que isenta das empresas o recolhimento de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em troca de uma série de contrapartidas, enquanto a Prefeitura doa o terreno e isenta de ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza).
O prefeito de Campo Grande, Marcos Marcello Trad, afirmou que a cidade passou por um período de dificuldades em que diversas empresas fecharam as portas, mas que o momento é de pensar nos dias favoráveis que virão. “O momento hoje é de embriaguez, mas embriaguez de sucesso e felicidade, fortalecendo a indústria local, atraindo novos empreendimentos e gerando mais empregos”, ressaltou.
O presdente do Grupo RFK, Marcio Mendes, agradeceu a interlocução da Fiems para alinhar a instalação da fábrica de cerveja em Campo Grande e ao papel do Governo e da Prefeitura na concessão dos incentivos. “Nunca vi um tratamento tão bom no meio empresarial quanto o que recebi aqui e ficou o sentimento de gratidão e o dever de aqui permanecer. Prometo que cada centavo que foi concedido dos incentivos fiscais, cada metro quadrado do terreno onde estamos instalados serão convertidos em postos de trabalho e muitas oportunidades. Vou levar o nome da Cidade Morena para todo o País”, prometeu.
Também participaram da cerimônia de inauguração da Cervejaria Campo Grande o titular da Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Jaime Verruck, o deputado estadual Maurício Picarelli, representando a Assembleia Legislativa, o vereador João César Mattogrosso, representando a Câmara de Campo Grande, o superintendente do Sebrae/MS, Cláudio Mendonça, e o superintende do Banco do Brasil no Estado, Glaucio Zanetin.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Ave César Books: O Catador de Sonhos

Geraldo Rufino: O catador de sonhos

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, bebida e texto

Até pouco tempo atrás me considerava um leitor comum, que lia livros tempestivamente. De uns anos para cá essa situação mudou de figura. As leituras, cada vez mais recorrentes,  foram seguidas de inúmeras visitas às livrarias, feiras, arquivos públicos e principalmente bibliotecas. Esses locais passaram a fazer parte do meu cotidiano, e de minha família também. Como estou escrevendo um livro que boa parte está pautado no depoimento de pessoas, passei a ler alguns exemplares que contassem a história de alguns "seres ilustres", com o objetivo de compreender a forma de como seus escritores colocavam as suas ideias no papel. Foi uma forma que busquei para escrever e me expressar melhor, facilitando a compreensão do meu querido leitor. Entre essas obras, encontrei uma redigida na Primeira Pessoa do Singular, ou seja, o próprio autor se comunicando diretamente com o leitor, que me chamou a atenção. Trata-se do livro de Geraldo Rufino - "O Catador de Sonhos".

A forma que ele transmite o seu conhecimento, passa a sensação que você está sentando à sua frente, e o que vos separa é apenas uma mesa. Trata-se de uma conversa franca, "papo reto" de quem errou, e que conseguiu, com a ajuda de muita gente, dar a volta por cima.

Adjetivos e termos como "atenção", "carinho", "gratidão", "respeito ao próximo", "credibilidade" e "foco nas metas", são itens que se repetem inúmeras vezes ao longo dos capítulos dando a devida importância em praticá-los. Confesso que me identifiquei muito com Geraldo Rufino. E se ele é o que está escrito no livro, posso concluir que Geraldo é um cara bacana e um empresário acima da média. 

Um dos itens que pude tirar de proveito do livro é na verdade um alerta ao empreendedor, (principalmente àqueles do segmento de cervejas, que tanto curto). Um Empreendedor, é acima de tudo, um Empresário. Toda paixão vivida em um empreendedor têm que estar alinhada à uma gestão vivida em um empresário. Tem que haver controle, planilhas para preencher, ler, interpretar e tomar atitude. Se você não tiver estratégia, você seguirá outra de outro alguém e isso significa terceirizar os seus sonhos e os seus problemas. Os sonhos são seus e os problemas de sua empresa também e cabe a você solucioná-los. Amor e paixão sozinhos não vão encher o seu bolso e seus objetivos, que visam à peneridade do seu negócio, morrerão na praia. 

Talvez eu equipare "Paixão e Gestão" à um casamento. Estar do lado de quem amamos é maravilhoso, mas para manter esse amor, com algum conforto, de um lado tem que haver paciência, humildade, concessão. Do outro, visão de longo prazo, dedicação (tomar atitude) e autocontrole das contas domésticas! Seria isso um exemplo da união de paixão e gestão?!

Boa leitura e desejo sucesso em seus empreendimentos meu leitor, ou melhor, meu bom empresário que tem paixão pelo que faz! Se cuide. Um brinde!

sexta-feira, 5 de maio de 2017

O dia Mundial da Língua Portuguesa


Dia da Língua Portuguesa e da Cultura
Como escritor não poderia deixar de mencionar o dia especial de hoje. O Dia da Língua Portuguesa e da Cultura é comemorado anualmente em 5 de maio entre os países lusófonos.
Esta data celebra a importância cultura e histórica da língua portuguesa para toda a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP)
Durante esta data, os países que formam a CPLP promovem eventos especiais na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York.
No Brasil, o idioma portuguesa também é celebrado durante o Dia Nacional da Língua Portuguesa, em 5 de novembro. Esta data foi instituída no país através do decreto de lei nº 11.310/2006.
Veja o comentário final de Joseval Peixoto sobre a língua portuguesa no Jornal da Manhã da Rádio Jovem Pan ,São Paulo às 9:56 da manhã (2:30 minutos do vídeo). Um espetáculo a parte! Temos que realmente estudar mais, aprender mais e melhorar a nossa prática em "macaquiar" a sintaxe Lusíada. https://www.youtube.com/watch?v=VbXpmJz_5j4.

Um brinde!

XII Encontro Nacional das ACervAs


Última chance para cadastrar suas receitas no Concurso BJCP do #XIIEncontroNacionaldasACervAs! Se você é membro de qualquer ACervA do país e quer ter suas cervejas avaliadas por alguns dos mais conceituados juízes do Brasil e do mundo, basta acessar www.acervapotiguar.com.br/nacional/concurso e fazer sua inscrição de até 10 cervejas de estilos diferentes. São vagas limitadas e só até hoje, 5 de maio! Boas cervejas, e sucesso a todos os inscritos!

#NacionalDasACervAs2017 #ACervAPotiguar #ACervABrasil #Natal #Brasil #Cerveja #Beer #BJCP #ConcursoBJCP


quinta-feira, 4 de maio de 2017

Cervejaria Furst

Pastel de torresmo e pirulito de bacon! Nova cervejaria em BH tem cardápio inusitado



por Érica Santos
A capital dos bares ganhou mais uma parada cervejeira: o Fürst Tap Room. Inaugurada em março, a casa traz sete opções de cervejas em garrafa e oito estilos de chopes. Além disso, um cardápio com pratos que ganham harmonia com as bebidas. O destaque das comidas fica por conta do pastel de torresmo e pirulito de bacon.
Os chopes são vendidos em copos de 200, 300, 475 ou 1000 ml. Já as garrafas de cerveja possuem 600 ml. Além disso, a casa oferece dez torneiras de chope, de cervejarias convidadas. As bebidas são produzidas diretamente na fábrica da Fürst, na cidade de Formiga, Minas Gerais. Alguma são de cervejarias parceiras.

O cardápio, assinado pelo chefs Zito Cavalcante e Rodrigo Baeta, trazem pratos inusitados e harmonizados com a cerveja. Algumas opções do cardápio são:  pastel de torresmo com geleia de tangerina picante, pirulito de bacon, iscas de frango empanadas no malte Fürst, hambúrgueres artesanais e batata frita na farofa de parmesão, entre outros.

Além disso, o local possui uma ‘Growler Station’ – recipiente próprio para armazenar cerveja – e uma lojinha onde os clientes encontram peças e acessórios da cervejaria. Também é possível abastecer seus growlers com os chopes da marca.
Pra completar, o ambiente lembra os tradicionais pubs, já que é todo decorado com rótulos das cervejas. O bar também oferece TVs para transmissão de jogos de esporte.
Fonte: http://bhaz.com.br/2017/05/03/cervejaria-furst-tap-room/

Ambev Resultados do 1Q



Lucro da Ambev cai 20,1% no 1º trimestre de 2017

A empresa, controlada pela AB InBev, divulgou geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBTIDA)

A Ambev teve lucro líquido ajustado 20,1 por cento menor e abaixo das expectativas do mercado no primeiro trimestre, conforme o crescimento de custos ofuscou volumes maiores de vendas.
Controlada pela AB InBev, maior cervejaria do mundo, a empresa anunciou lucro líquido ajustado de 2,316 bilhões de reais de janeiro e março, abaixo dos 2,9 bilhões de reais observados um ano atrás e dos 2,795 bilhões esperados por analistas consultados pela Thomson Reuters.
A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de 4,356 bilhões de reais de janeiro a março, uma cifra 17,3 por cento menor ante igual período de 2016 e inferior aos 4,932 bilhões de reais apontados por analistas ouvidos pela Thomson Reuters.
No Brasil, o custo dos produtos vendidos por hectolitro subiu 29,1 por cento na comparação anual, para 96,90 reais, enquanto a receita líquida aumentou 0,6 por cento na mesma base, para 228,90 reais por hectolitro, de acordo com o material de divulgação do balanço.
Em termos de volume, a Ambev apresentou no Brasil crescimento de 2,6 por cento ante o primeiro trimestre do ano passado, para 27,5 bilhões de hectolitros.
Desconsiderando depreciação e amortização, as despesas gerais e administrativas da empresa no país cresceram 1,5 por cento, para 1,82 bilhão de reais.

Para 2017, a Ambev espera que o custo de produto vendido por hectolitro tenha alta de dois dígitos no primeiro semestre e se mantenha estável ou suba um dígito baixo no segundo.
Real Time Web Analytics